Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Há lá coisinha mais sexy que umas ceroulas...!?!

Eles também têm direito a ter as suas pernas e outros apensos quentinhos, não é verdade? {#emotions_dlg.lol}

 

Como está tudo em constante mutação e evolução, nem as lendárias ceroulas escaparam ao avanço da tecnologia e da moda. Vim eu a descobrir que agora as ceroulas já não são ceroulas, já têm outro nome. Vocês sabiam disto? Eu não!!!

 

As ceroulas eram aquelas calças largas de algodão, usadas por debaixo das outras calças e faziam parte da roupa interior. Hoje, chamam-se leggings. O modelito tornou-se justo ao corpo (até para poupar tecido por causa da crise), e há seres do sexo oposto que as usam como cueca. Ah e já não são roupa interior mas sim underwear

 

Dizem as línguas masculinas que quem vestir uma vez umas leggings nunca mais quer outra coisa. Errr... escondam as vossas, meninas, para que não haja enganos.

E diga-se em abono da verdade que, para além de quentinhos e cómicos - se forem pretas parecem uns aranhiços bi-pernais -, ainda ficam sexys!

 

E já temos uma prenda que podemos oferecer aos nossos homens nos aniversários ou no Natal, sempre a pensar no seu conforto, no seu bem estar e no nosso bolso: umas leggings. E se eles abrirem o presente com um ar desolado e exclamarem "umas ceroulas!", retificamos imediatamente de dizemos que é uma "peça de underwear masculina e que se chama leggings e não ceroulas" e que é supé fashion!!!

 

Ora apreciem lá...

Há lá coisinha mais sexy do que umas ceroulas?!?

{#emotions_dlg.emplastro} 

O Homem do Talho

Aqui em frente sempre existiu um talho. Esta loja estava destinada a ser o que sempre foi. Vários donos, o mesmo ofício. Parece que até as lojas não fogem ao seu destino.

 

O primeiro dono, o sr. G., esteve anos ali. Eu acordava ao som ritmado e conciso do seu martelo de corte. Mas se isto não me impressionava, o ar do sr. G, fazia-me não gostar dele.

Era um homem grande, daqueles que crescem mais do que a medida, possuidor de uma grossa corrente de ouro que enfeitava o seu pulso direito, mostrava sempre um ar austero, que fazia lembrar aqueles troféus cabeças de touro com que os toureiros tão orgulhosamente enfeitam uma qualquer parede de sua casa.

 

Os anos foram passando, o sr. G. envelhecendo e a qualidade da carne, acompanhando fielmente quem a vendia, começou a ser pouco recomendável. A clientela abrandou e o negócio fraquejou.

Velho e sem freguesia, resolveu ir desfrutar as propriedades que o negócio um dia lhe permitira comprar.

 

E vieram outros e mais outros donos. Até que apareceu o que cá está hoje. A abertura da loja foi um sucesso, quase com honras de estado. Simpatias e balões para todos e um sem mãos a medir que chegassem para a freguesia. Todos lá foram: os que precisavam, os que não precisavam, os que queriam provar, os que queriam cuscar, os que queriam dizer bem e, principalmente, os que queriam dizer mal.

 

E até desta vez o novo dono estava destinado ao karma que paira sobre esta loja. A freguesia migrou para outros sítios e a única que ainda se mantém são os ciganos.

 

O dono passa os dias à porta com o seu bigode farfalhudo à Chalana a fumar, a trocar dois dedos de conversa com alguém que lhe pare à porta, e a contar os minutos para fechar a loja.

A sua bata está sempre suja, talvez para lembrar que ainda resiste estoicamente à falta de freguesia. E como um homem nunca perde a dignidade nem a vaidade, mantém a sua carrinha bêemerdabliu orgulhosamente, como se fosse uma extensão do seu próprio corpo à qual dedica toda a atenção e dedicação.

 

Existe Karma e pré-destinação? Talvez. Mas que há coisas que nos deixam a pensar…

 

Há Coisas Mesmo Estranhas!

Ponto da situação:

- Início do dia com borrifos de chuva;

- Os motoristas dos tranportes públicos devem ter adormecido nas curvas pois chegaram todos atrasados;

- Não fui "provar" a água do mar: nem as nuvens nem o humor convidavam;

- Tarde na mata sob ameaça de chuva;

- O meu colega professor Mamboo (lol) continua a ter uma história para contar a propósito de tudo, mesmo que seja sobre um cócózinho de cão!;

- Fomos à farmácia comprar tampões para os ouvidos porque o voto de silêncio do prof. Mamboo foi quebrado em menos de um minuto.

 

Momento Auge do Dia:

Já de volta para casa, "encaixadas" no autocarro a cair de podre e embaladas pelas alegres músicas infantis, vamos observando a paisagem distraidamente até que.... WHAT'S THAT?!?

Foi uma cena à desenho animado: olhámos todas simultaneamente para a paragem do lado esquerdo onde se encontrava uma figurinha... bom... errr... sei lá... sui generis, é melhor dizer assim.

Estava um senhor, vestido de cor de rosa da cabeça aos pés, com um penhoir (tipo um robe de seda), de cabelos pretos com corte à anos 70, melenas pelos ombros portanto, e com uma bela bigodaça farfalhuda. Abanava-se muito descontraidamente com ares efeminados. Não batia a bota com a perdigota. Ou se é ou não se é.

 

Para justificar tais preparos, invntou-se logo a história de que o senhor tinha sido apanhado com a amante pelo marido dela e que a única coisa que teve tempo de vestir antes de se pirar foi o tal robezinho rosa...

 

Momento do Dia

(Gaffe dos adultos, passada entre a M. e o professor Mamboo, a propósito da irmã de serviço...)

- Não quer homem! - diz a M.

- Quer uma então! - responde o prof. Mamboo.

 

Agora em português correcto:

- Não quer (café), homem!- diz a M.

- Caruma então! - responde o prof. Mamboo.

 

Toca a rezar 50 Avé Marias e 50 Pais Nossos para limpar as vossas mentes perversas!

Let's Talk About Sex!

 

"A mulher precisa de estar bem para fazer sexo; e o homem precisa de sexo para estar bem".

 

                                  

 

A mulher como ser emocional que é, precisa de sentir carinho, desejo e confiança no seu parceiro para pratilhar um momento tão especial como o do sexo.

 

A vivência quotidiana - problemas laborais, pessoais, preocupações diárias - pode influenciar grandemente a disposição da mulher para estes momentos.

 

Nestes momentos de prazer, a mulher gosta de se empenhar e disfrutar na sua pleinitude estes instantes a dois para que aconteça uma entrega total.

 

Já o homem, tem uma atitude completamente diferente perante o sexo: são momentos como estes que representam reforços para a sua auto-estima e masculinidade.

 

O homem não precisa de estar ligado emocionalmente a uma pessoa para consumar um acto sexual. É o seu instinto primário a funcionar, a instigar a procura destes momentos.

 

 

Este post foi escrito à 1.40 da manhã, sob o efeito de sexo, drogas, alcool, coca-cola, café e bombons com prazo expirado há mais de dois anos... e não nos podemos esquecer do queijinho fresco* que ficou em cima da mesa!!!

 

 

 

* não confundir com o extinto conjunto musical "queijinhos frescos"!

 

Nos orgãos genitais não se toca!

 

Um tribunal italiano proibiu os homens de tocar nos seus órgãos genitais em público, considerando este acto como falta de decoro! Será que esta prática é tão generalizada em Itália que foi preciso tomar esta medida? Ou será que a Itália estava a correr o risco do seu cartaz turístico ser os belos italianos coma mão nos seus atributos? Coisa estranha…

 

Se em Portugal se adoptasse uma medida destas, havia muita gente – entenda-se homens - tramada. Muita infracção à lei iria ser cometida, e a caça à multa ainda iria intensificar-se mais. Provavelmente, alguns elementos da espécie masculina seriam presos por atentado à moral pública. Ou não.

 

Recordo que no nosso país, este tipo de gestos, são já uma antiga tradição fortemente arreigada na nossa cultura popular. Historiadores e estudiosos do assunto, referem que esta prática remonta aos primódios do tempo, desde que o Homem era Adão e Eva a Mulher. E que o pecado original surgiu não do facto de Eva ter mordido a maçã oferecida pela serpente mas por ter mordido outra coisa…

Foram encontradas também referências que reportavam esta prática como sendo trazida pelos romanos para o nosso país. E que no tempo de Napoleão havia como que uma “gesto de guerra”: antes de disparar havia sempre um toque genital para lembrar os soldados que eles tinham… vocês sabem o quê! Diz-se até que Napoleão criou aquela mania de enfiar a mão dentro do casaco para contrariar e combater o vício que tinha de mexer no seu “material de guerra”.

 

Existe, inclusivamente, um manual que ensina os preceitos desta arte. Este precioso testemunho intemporal da cultura popular, foi elaborado graças aos depoimentos recolhidos através dos tempos nas diferentes partes do país.

Segundo reza no conceituado livro, um bom coçador de “órgãos genitais” deve cumprir e obedecer a determinados requisitos:

- ter a unha do dedo mindinho grande (para que possa chegar às profundezas do seu bem mais precioso;

- depois de uma coçadela, deve sempre cuspir para o chão (de forma a reafirmar a sua masculinidade);

- dar um aconchego aos seus amigos inseparáveis (para se assegurar que está tudo no sítio e que nada está danificado.

 

Ainda hoje existem cumprimentos, entre a classe masculina, onde após um aperto de mão deverá ocorrer um toque genital (uma coçadela ou um aconchego). Isto assegura-os da sua masculinidade e fá-los pensar que os elementos do sexo oposto sentem atraídos por eles…

 

(Como já devem ter reparado, iste texto é 99% fruto da minha imaginação só 1% é que é verdade. Agora separem o trigo do joio!)

 

O Homem da Coca-cola

 

 

Eu e o N. sentámo-nos à mesa para degustar um salmão grelhado espectacular acompanhado de umas batatinhas e uns bróculos. Começámos a comer e a tecer elogios ao magnífico salmão.

conversa daqui, conversa dali, uma espreitadela no telejornal e entretanto o N. bebe um golinho da sua bebida. eu olho para ele e começo a vê-lo com uma cara muito estranha, de quem está a sentir algo anormal e está prestes a rebentar.

E zás! O N. protagonizou a mais fantástica sessão de arrotos alguma vez vista. Ele próprio ficou surpreendido com o poder gasoso daquela coca-cola.

Após análise minuciosa àquele líquido tão apreciado, chegámos à conclusão de que existia vida na coca-cola. e até chegámos a ver os seres coca-colianos!

Resumindo: o N. não protagonizou aquele espectáculo de sua livre vontade. Não. Ele foi possuído pelo "homem da coca-cola". E não era o Pai Natal!

Por isso, meus amigos, cuidado, muito cuidado ao beber coca-cola. Vejam primeiro se o "homem da coca-cola" não está dentro da vossa garrafa.!

Depressão no Masculino

 

Todos sabemos que as relações humanas não são fáceis. Há que haver tolerância e cedência entre dois seres que se amam. Há que cultivar o amor todos os dias, como se não houvesse amanhã. Mas nada disto é fácil.

 

Nas relações cujo tempo já é longo, tende a cair-se na monotonia. No entanto há que haver investimento das duas partes para modificar isto. O pior é quando só uma das partes investe porque a outra não está bem.

A mulher embeleza-se, cuida de si sempre com o intuito de agradar ao homem. Mas o homem não. Ele não está bem e resiste em admiti-lo. Não partilha os seus problemas que mascara com os mais variados subterfúgios. Estamos à beira da depressão.

 

Já nada interessa. Apetece-lhe estar sozinho, isolar-se da mulher e filhos, dos amigos. Mostra uma tristeza profunda, um desespero perante a vida. Sente que não consegue fazer a família feliz e, por isso, afasta-se.

Como sempre, a mulher luta, batalha, para tentar compreender o homem e ajudá-lo. Mas ele ergue uma barreira intransponível, nem ele consegue entender a sua própria mente. Ele não consegue distanciar-se e perceber que está doente, que precisa de ajuda. Ele não percebe que ao rejeitar ajuda está a dinamitar a sua relação, está a fazer sofrer quem o ama.

 

A confusão mental é de tal ordem que se sente ansioso com tudo e com todos, quer tudo e nada, revela uma apatia e um cansaço estranhamente anormal acompanhado de grandes insónias. As relações sexuais entre o casal são grandemente afectadas. Ela tem vontade de partilhar um momento de amor e prazer com o seu parceiro mas ele mostra-se indiferente, desinteressado e não consegue consumar o acto. Mas um problema para a sua cabeça pois, perante a mentalidade masculina, a falha da consumação do acto é sinónimo de fraqueza da sua masculinidade.

 

Quando falamos em depressão, referimo-nos, quase sempre, ao universo feminino. Os homens não têm depressões, apenas se encontram cansados, diz o preconceito masculino.

É muito triste assistir-se à degradação de uma relação pelo facto do elemento masculino precisar de ajuda e não a aceitar…

 

 

O Sexo Trata-lhe da Saúde!

 

Aproxima-se o fim de semana e com ela a tão ansiada vinda do N. a casa.

O N. quer por força tratar-me da saúde. Já sei que ele só quer o meu bem, tal como eu a ele. Mas é preciso ir com calma…

Entrámos numa discussão acerca de sexo. Dos benefícios das relações sexuais.

 

Como já todos sabem, ando aqui com um grave dilema acerca do meu peso. Ele, preocupado com o assunto, revolveu procurar vias alternativas à cirurgia. Encontrou uma: SEXO! Ele defende a teoria que o sexo tira as dores de cabeça, queima calorias e faz emagrecer.

Ora eu até sou uma moçoila bastante céptica por isso, fui procurar informação. Pois agora espantem-se! Ele até tem… razão! E é tão zeloso que está a ter em conta não só o meu bem estar físico como psíquico ou até monetário…

 

Ora vamos lá a explicações mais claras.

Ponto um: O sexo tira as dores de cabeça.

Será que isto é verdade? Afinal existe a famosa desculpa “hoje não, querido, estou cheia de dores de cabeça…” Será porque o sexo agrava a dor de cabeça ou será que a vontade de sexo é nula? Por outro lado, também podemos pensar que numa relação sexual a circulação sanguínea aumenta e manda a dor de cabeça dar uma volta ao bilhar grande.

A experimentar para averiguar a verdade…

 

Ponto dois: O sexo queima calorias.

Pudera! Com o aquecimento global…! Dois corpos em esforço e fricção só poderia produzir aquecimento.

Se há esforço, produz aquecimento. Se produz aquecimento, há desgaste de energia. Se há desgaste de energia… bye bye calorias!!!

Lemos nós que em cada leva (entenda-se relação sexual), perdemos 200 calorias. Ele propôs que eu perdesse o mínimo de 600 calorias por dia…

 

Ponto três: O sexo faz emagrecer.

Segundo a lógica, assim será! Depois de tanto esforço, ginástica e transpiração, lá se foram as calorias todas!

Assim sendo, já não preciso de ir para nenhum ginásio e poupo uns trocos.

Acusa-me o N. que a culpa da sua abdominocha (tradução: bocha é o mesmo que o famoso pneu, mas para não ferir susceptibilidades uso esta terminologia, inventada por mim, cujo significado é um abdominal mais “desenvolvido”), deve-se a estar de dieta forçada hà 2 meses. E que é por este motivo, também, que eu tou mais pesadinha…  

Não confirmo nem desminto…

 

E agora vou contar-vos mais umas coisas que descobri:

 

- Previne a osteoporose.

Em vez de nos atascarmos de leite e iogurte, vá de fazer sexo com fartura…

 

- Alivia as dores, em geral.

  Já sabes o que te espera N. !

 

- Previne as constipações.

Por esta não esperava! Pessoal, vamos lá a praticar sexo para combater a estirpe da gripe!

 

- Ajuda a dormir!

Fora os comprimidos para dormir! Viva a medicina “natural”! Viva o sexo!

 

“Uma vida sexual activa reduz em 50% o risco de morte.”

 

 

E pronto! Haveria mais para contar mas já chega.

 

Um estranho animal chamado homem…

                            

  

                                     

     Can’t live WITH them, can’t live WITHOUT them!

Talvez seja o animal mais procurado e cobiçado ao cimo da terra. Para algumas vale ouro mas para outras, vale coisa nenhuma. Existem de várias cores e feitios. Uns melhores e outros piores. Mas o que é certo é que a dada altura todas querem ter um… HOMEM.

Fazem-nos sofrer, não nos compreendem e alguns são até cruéis.

Eles gostam mesmo é de ser eles a comandar, a impôr as suas vontades sem pedir opiniões ou sugestões a ninguém.

Dizem ser nossos amigos, até nos dão miminhos e oferecem prendas. Mas quantas vezes não há um jogo de interesses por trás?

Eles não nos compreendem ( porque não querem!) e nós não os compreendemos a eles. Será por sermos de sexos opostos? Mas não dizem que os opostos se atraiem? Devíamos dar-nos às mil maravilhas…

Efectivamente, não conheço ninguém que não tenha problemas com o seu homo sapiens sapiens.

Uma coisa parece ser comum a todos, não importa idade, estatuto social ou situação económica: sofrem todos de falta de iniciativa. E se não for as Marias a puxar a carroça, a coisa não anda.  

E depois não têm estofo para enfrentar as dificuldades da vida. Foge-lhes o chão, é uma tragédia grega e descontam os problemas nos outros, principalmente em nós, as tais Marias.

As Marias têm de aguentar tudo: os problemas pessoais, da casa, do trabalho e ainda ser mal-compreendidas e levar com os “desabafos” masculinos que às vezes até doem. Ah! Falta a famosa acusação masculina quando não querem ouvir umas boas verdades: “ela está com TPM”. Ora façam-me o favor!

Outro dos grandes problemas do sexo oposto é a falta de diálogo. É que nós mulheres gostamos de debater os assuntos, ouvir sugestões e opiniões para, finalmente, tirar conclusões. Ainda existem alguns seres que fingem ouvir mas na hora de responder ao nosso “ o que achas?” é que são elas. “Faz o que quiseres…”, respondem eles. E nós fazemos. Mas quando eles percebem que, afinal, até deviam ter dado uma opinião, é tarde demais. E lá ouvem as Marias novamente.

Existem outros que sempre que sonham que as Marias têm um problema, mudam de planeta, fecham-se numa concha, desligam o telemóvel e apagam todo e qualquer registo da sua existência. Nós não. Se o sapienszinho tem um problema, nós movemos céu e terra para os ajudar, só não fazemos o que não pudermos. Vamos à luta de mangas arregaçadas e com os dentes afiados à mostra: “Quem ousou fazer mal ao meu homo?”

A conclusão que eu tiro disto tudo é que, no fim das contas, somos nós que levamos o barco adiante, embora muitas vezes não seja evidente para não ferir a sua masculinidade. É que se assim não fosse a esta hora ainda estávamos na Era da Pedra Lascada….